Sebastião Salgado em Porto Alegre

ImagemImagem

Porto Alegre, na próxima quinta-feira, 13, irá inaugurar a exposição Genesis de Sebastião Salgado, na Usina do Gasômetro.

Dizer o quê sobre Sebastião salgado? Vá, olhe as fotos, e entre um universo de vida, reflexão, arte, e tudo o mais que a sua imaginação acolher.

Anúncios

Reflexo da sociedade?

Ao ler na imprensa que senadores e ex-parlamentares e suas famílias usufruem plano de saúde ilimitado e têm direito a despesas de R$ 25.998,00 por ano para tratamento odontológico, valores esses que entre 2008 e 2012 atingiram uma média de R$ 6,2 milhões/ano, e que podem, inclusive, acumular saldo, ou seja, se não usou em um ano dobra no seguinte e ainda antecipa outro ano o que pode gastar, conforme justificou um senador a respeito de seus gastos em pedido de ressarcimento de pouco mais de 62 mil reais em uma única vez, extrapolando o limite estabelecido, fico me perguntado, de forma ingênua, se esses procedimentos e “direitos” refletem os mesmos procedimentos e direitos que a sociedade brasileira possui?

Joaz Baez: lucidez e engajamento

Imagem

A presença de Joan Baez na América do Sul é emblemática. Traz muito da vida, do sentido, do porquê, do ativismo consequente, do talento, da sensibilidade. Momentos como os que vivemos podem ser comparados com a exclusiva e única década de sessenta? Não, impossível. Pelos adjetivos escritos linhas acima. São outros tempos. Outros sentidos, outros porquês, e, sobretudo, outras consequências. Em várias entrevistas, a cantora e compositora de folk, fala sobre muitas coisas. Sobre o seu cotidiano atual. Chama a atenção dois pontos: o primeiro a respeito de Bob Dylan, de quem foi namorada e grande impulsionadora de sua carreira: o seu relacionamento com ele é zero. O segundo, nunca mais haverá uma década como a dos anos sessenta onde surgiram Beatles, Rolling Stones, The Byrds, Joni Mitchell, Richie Havens, The Who, e tantos mais. Sua fala permite várias reflexões, uma delas é por onde caminhamos hoje. O que foi feito da magia e força daqueles anos que se diluíram aos poucos até este século XXI complexo e das redes sociais.

Joan esteve sempre na linha de frente. havia a Guerra do Vietnan, Martin Luther King, as canções que retratavam o protesto contra a opressão, contra a guerra genocida, contra o racismo. Estava vivendo para transformar a sociedade e seus costumes, para melhor. De alguma forma, o sentido e o porquê se entrelaçavam. Começou em 1959 no Newport Folk Festival e em seguida deslanchou pela América do Norte inteira. Ganhou o mundo. Sacralizou Woodstock. Sua apresentação à noite é daquelas de se guardar pela vida inteira, interpretando “Joe Hill”.  Era (e é) tão ligada ao folclore que gravou Villa-Lobos, gravou “Mulher rendeira”, gravou um disco inteiro em espanhol chamado Gracias a la vida. Não abandonou seus princípios. É a mesma e lúcida Joan Baez dos anos sessenta.

A presença dela, lançando seu disco Day after tomorrow, produzido pelo cantor e compositor Steve Earle, nos proporciona momentos únicos. Ela, que foi proibida de cantar no Brasil em 1981 por um fatigado regime militar, está aqui para nos fazer pensar. Para que os sentidos e os porquês tenham sentido e porquê. Para que possamos realmente transformar a sociedade atual em uma sociedade mais séria, mais comprometida, mais justa, mais humana, mais ética, mais íntegra. Ouvi-la é dar um passo à frente contra todos os tipos possíveis de violência.

http://www.youtube.com/watch?v=2M9urmuiREc

Foto: Marina Chavez

Glaciar Perito Moreno: geleira viva e fascinante

imageNa Patagônia argentina permanece avançando um dos raros glaciares do mundo: Perito Moreno. Em todo o seu esplendor de intensidade azul, domina quem debruça os olhos sobre ele. Invade a alma. Acelera o coração, o sangue flui nas veias. É uma das maravilhas da nossa América do Sul. Do outro lado do Parque Nacional Los Glaciares, o Chile. E nele, outras maravilhas: Torres del Paine impõe seja no verão ou no inverno. É uma região bela e densa em beleza, que precisa ser preservada. Se puder, vá. Sem medo de se emocionar.

Fotos: Chronosfer. A primeira foto, à esquerda de quem está olhando, bem acima, é Torres del Paine no lado chileno da Patagônia, também em toda a sua força e paz e, sobretudo, harmonia. Inesquecível.

David Gilmour: Live in Gdansk

Imagem

Para o final de domingo, início de semana, o show de David Gilmour Live in Gdansk é algo extraordinário e capaz de elevar o espírito. O talento, a sensibilidade de um Pink Floyd, tocando basicamente o disco On an island com acompanhamento de orquestra filarmônica (The Baltic Philarmonic Symphony Orchestra regida por Zbigniew Preisner) é imperdível.

Acompanhado por Richard Wright nos teclados, Phil Manzanera na guitarra, Jon Carin nos teclados e programação, Guy Pratt no baixo e Steve Stanilau na bateria, todos também estão nos vocais, Gilmour exibe excelente forma e carisma, características desde o tempo do Pink Floyd, que está muito presente no show. Ouvi-lo é sempre um presente.

http://www.youtube.com/watch?v=yw3b0ESOwTs

Capa capturada na Internet.

Triste Brasil, corrupção, racismo e há quem defenda a impunidade

O racismo é uma lâmina afiada. Finca a carne, corta a alma. Atinge e respinga por todos os lados. Devasta a dignidade. Dilacera a sociedade. Impossível suportar a intolerância, a discriminação. O racismo está a olhos vistos em todos os lugares. O câncer brasileiro é visível. Transita pela impunidade. No tudo fica como está. Os episódios nos estádios de futebol, onde torcedores acobertados pelo manto da multidão, não são casos isolados. Há deputados que se valem do mesmo manto, não da multidão, mas da imunidade parlamentar para desafiar a legislação. (para quem não sabe a Lei 7.716 de 05 de janeiro de 1989 criminaliza o racismo) O deputado federal Luiz Carlos Heinze incorreu no artº 20 da Lei 7.716. O que diz o artigo: “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional (redação dada pela Lei 9.459 de 15.05.1997). Pena: Reclusão de um a três anos e multa (redação pela mesma Lei)”. O que disse o deputado: “Agora eu quero dizer para vocês: o mesmo governo, seu Gilberto Carvalho também é ministro da presidenta Dilma, e é ali que estão aninhados quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo o que não presta, ali está aninhado e eles têm a direção e o comando do governo“. O que precisa para ser enquadrado na Lei? Possui foro privilegiado? Senhores deputados, senadores façam um favor à nação: abram mão da imunidade parlamentar para o caso que não seja o da defesa de ideias políticas, abram mão do foro privilegiado. Enfrentem como cidadãos comuns os crimes que por ventura cometerem. Não é Chronosfer que define o crime de racismo, é a Lei, apenas exige o seu cumprimento integral a todos. Os senhores não são representantes da sociedade? Então, se o editor do site cometer crime de racismo, será processado, podendo ser preso de um a três anos. Receber a delegação dos seus eleitores não confere a nenhum parlamentar a liberdade de quebrar as regras e as leis. Tal como legítimos representantes de quem os elegeu, que recebam as devidas penas previstas em lei todas as vezes em que forem feridas.

Na sua coluna em Zero Hora de 07 de março de 2014, o jornalista Diogo Olivier destaca como título A Barbárie. Refere-se ao relato feito pelo árbitro Márcio Chagas da Silva sobre o que sofreu no estacionamento do estádio Montanha dos Vinhedos em Bento Gonçalves. O jogador Arouca também foi alvo dessa barbárie. Olivier, lúcido e brilhante, diz: “A hora é de punir. Ultrapassamos todos os limites. O Esportivo tem de receber alguma punição. Perder os pontos da partida. Ou o mando de campo. É injusto com a esmagadora maioria de seus torcedores e com o próprio Esportivo, que nada têm a ver diretamente com os racistas que atacaram Márcio? Sim, é. Mas há outro jeito, seja qual for o clube, grande, médio ou pequeno? Se ficar por isso mesmo, aonde vamos parar? (grifo feito pelo editor)

“A barbárie chegou. Temos que lutar contra ela antes que seja tarde”. Posição corajosa, correta, consciente e lúcida de Diogo Olivier. Não pode haver concessões ao crime cometido.

E, para surpresa do site, ao ler matéria assinada por Pedro Ivo Almeira, do UOL, Rio de Janeiro, de 08 de março de 2014 sobre o racismo, vamos reproduzir o que foi dito por uma pessoa da mais alta relevância do País: “Isso (discussão intensa sobre o racismo) é uma bobagem. Estão dando ênfase a uma bobagem. Não devíamos nem debater isso. Não adianta punir, a solução é ignorar. Vocês (imprensa) não podem dar moral e ficar falando dessas pessoas. Este caso não tem solução, esses babacas nunca vão aprender”. E continua ao ser questionado sobre a importância do racismo no futebol, deixando claro que o melhor caminho é ignorar as pessoas que praticam atos preconceituosos no esporte. “Deixem esse assunto para lá, daqui a pouco todos esquecem e estas pessoas voltam para o cantinho delas”, completou. O título da matéria é “Não adianta punir os racistas. Babacas não aprendem”. (http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/03/08/e-uma-bobagem-diz-felipao-sobre-discutir-racismo-no-futebol.htm)

O autor das afirmações é o senhor Luis Felipe Scolari, treinador da seleção brasileira. O mínimo que se pode esperar da presidência da CBF é sua demissão sumária. Não adianta dizer que está fora de contexto, que foi mal interpretado, ou algo do gênero. O senhor Scolari é uma referência nacional e internacional para deixar claro que discutir e punir o racismo não adianta. Se não conhece a Lei, fique quieto. Não basta o Brasil viver uma corrupção sistêmica, já com alguns conhecendo a cadeia, para que se deixe passar um crime que é considerado inafiançável e imprescritível.

Chronosfer deixa claro que não acusa os senhores Scolari e Heinze de racistas, mas lamenta profundamente suas manifestações, sendo a do primeiro bem clara na matéria reproduzida, e a do deputado passível de enquadramento legal pelo que afirmou, inclusive mais de uma vez.

Infelizmente, sim, o Diogo Olivier tem razão, estamos em plena barbárie e se nada for feito, não sabemos aonde iremos parar.

Chega de impunidade!

Abaixo, reprodução da matéria capturada no site do OUL.

Imagem