Don Atahualpa Yupanqui, simplesmente

atahualpa yupanqui

“A partícula cósmica que navega meu sangue é um mundo infinito de forças siderais. Veio a mim sob um largo caminho de milênios, quando talvez fui areia para os pés do ar. Logo fui a madeira, raiz desesperada submersa num silêncio de um deserto sem água. Depois fui caracol, quem sabe onde, e os mares me deram a primeira palavra. Depois a forma humana derramou sobre o mundo a universal bandeira do músculo e da lágrima. E cresceu a blasfêmia sobre a velha Terra, o açafrão, o “tilo”, a copla e a “piegaria”. Então vim a América para nascer um homem e em mim juntei a selva, os pampas e a montanha. Se um avô da planície galopou até meu berço, outro me disse histórias em sua flauta de “cana”. Eu não estudo as coisas, nem pretendo entende-las. As reconheço, é certo, pois antes vivi nelas. Converso com as folhas em meio dos montes e me dão suas mensagens as raízes secretas. E assim vou pelo mundo sem idade nem destino, ao amparo de um cosmos que caminha comigo. Amo a luz, o rio, o caminho e as estrelas, e floresço em violões porque fui a madeira.”

Tempo do Homem – Atahualpa Yupanqui, tradução de Dércio Marques.

Foto: capturada no Youtube

Sharon Isbin: Journey to the Amazon

sharonisbin

A violonista Sharon Isbin, o sax de Paul Winter e a percussão brasileir de Thiago de Mello realizaram um disco surpreende. Explorar a sonoridade latino-americana já é fato comum, porém, com um viés mais rítmico, mesclando com o jazz e clássico pode parecer também algo já feito à exaustão. No entanto, tal como a literatura onde tudo já foi dito, porém o que faz a diferença é a forma em que é dito mais uma vez, na música os arranjos traduzem esse espírito. O trio consegue extrair, de form provocante e deliciosa, essas diferenças e pontos comuns entre as culturas e as formas de interpretar as canções do repertório. Não há concessões, há criatividade e uma profunda identidade alicerçada pelas nuances tecidas pelos instrumentistas. Os puristas talvez fiquem arrepiados e são capazes de afirmar que não é a verdadeira música original. Está aí a grande diferença: uma leitura livre e soberana do sentimento que a música causa não apenas em quem gosta de ouvir mas sobretudo em quem compõe, arranja, interpreta e tem a sua maneira de sentir. Journey to the Amazon comete a façanha de trabalhar a fusão com tessituras próprias e fazer com que Pixinguinha, presente com “Cochichando”, possa estra à vontade nessa jornada. E outros compositores também. E nós, bom, nós mergulhamos nessas sonoridades sem medo algum. Puro prazer cumprir essa jornada.