Agricantus, o canto dos campos

agricantus

Sempre fui atraído por música étnica. Embora, como todo mundo, tenha passado por fases em minha vida, e o conhecimento que foi sendo agregado a ela ganhou outra dimensão, não apenas na literatura mas também na música. Gosto de conhecer o que há, escutar independente de ser ou não sucesso. Aliás, sucesso não é medida para mim. Ao contrário, há muita qualidade sem chegar ao conhecimento da maioria das pessoas. Verdadeiras peças culturais que ficam à margem dos rios e correntezas do mercantilismo. É uma regra de mercado, não sou obrigado a aceitar. Gosto, então, de procurar o que, pelo menos aqui no Brasil, não frequenta “o sucesso” em emissoras de rádio, matérias de jornais e revistas ou televisão. Foi assim que, como sempre acontece, encontrei escondida em alguma prateleira misturada com vários outros discos o Best of Agricantus. Em tradução livre, do latim, significa canto dos campos de milho. O grupo italiano de Palermo, Sicília, tem em sua formação sonora a mistura de estilos musicais, idiomas e dialetos, instrumentos arcaicos sem perder de vista o que há de moderno. Sem exagero, uma preciosidade onde os elementos das harmonias africanas, do Oriente Médio e do próprio sul da Itália se encontram com o pop, com o eletrônico e o resultado é um trabalho vigoroso e sobretudo de aperto de mãos entre culturas diferentes entre si e ao mesmo tempo com pontos em comum. Neste disco em especial, de 1999, o melhor da sua produção de então, tem a presença marcante da voz de Rosie Wiederkehr e instrumentistas como Tony Acquaviva, Guiseppe Panzeca, Mario Rivera, Antônio Corrado, Aldo de Scalzi, Bob Callero e Mario Crispi nos mais variados instrumentos musicais. Doze canções que emolduram o nosso dia. Agricantus, a vida em constante rotação como o nome sugere.



.

Anúncios

Cartões de viagem, recortes de vida

Cidades nos habitam. Habitamos cidades. Reais e imaginárias. Olhares se cruzam, se perdem, são olhares apenas. O cotidiano atravessa a linha das horas com o compasso de cada gente. Os lugares, não importa quais, são lugares que acolhem. São transversais em nossas vidas. Podemos senti-los. Mais, vivê-los. Assim, se entranham por nossas peles os lugares e as gentes que respiram essas cidades que nos habitam. E que habitamos.

650

722

724

1554

1557

1735

Fotos: Fernando Rozano.
Pela ordem: 1,2 e 3: Praga. 4 e 5: Duomo de Florença. 6: Arezzo, Itália.