Night Beds: Country Sleep

nightbeds

O cenário indie é tão vasto quanto pode ser o pop, o rock ou qualquer outro gênero. Agrega-se a ele exatamente um deles e está carimbado um novo formato de sonoridade. O Night Beds está mais para o Indie Folk. E nele vai transitando. Country Sleep é melancólico. Começa pela capa. O tom se insinua pelo olhar. Pela luminosidade e pelo escuro que dali transcendem. Alcança as faixas. As vozes. As texturas melódicas. Os arranjos. E ,de repente, nos pegamos envolvidos em um universo onde o emocional se revela intenso. E por ser revelador ligamos alguns pontos de identidade pessoal com a vivência de Winston Yellen, compositor-mor do Night. A melancolia vai se apresentando e se dissolve com o lento passar de cada canção. O desespero, o desânimo, a história do jovem que carrega o mundo nas costas, sempre real de alguma maneira, ganha novo sentido ao descobrir que há futuro. Que o amanhã existe sempre. Quase um clichê bem resolvido que desperta para a vida. Um disco interessante, ainda que lembre por vezes Nick Cave, e introspectivo. Faz bem em algum momento esse olhar para dentro e depois emergir para a luminosidade do dia.

Anúncios

Jessica Pratt, folk e autenticidade

Jessica

Onze canções nos deixam tranquilos e seguimos nossos caminhos. Assim me senti ao escutar o primeiro disco de Jessica Pratt. Não se trata de um trabalho inovador, de um trabalho em que todos os paradigmas se quebram e o novo renasce das cinzas. Não, absolutamente não. A californiana, cujo rótulo é cantora e compositora de indie folk faz tudo ao natural. Seu álbum de estreia, 2012, Jessica Pratt desfila seus erros e acertos com tanta autenticidade que é impossível não ficar cativado por sua voz doce e melodias igualmente suaves. O transita em torno de si é um mar de influências que se conjugam e ao mesmo tempo se contrapõem. O resultado é de uma certa originalidade em seu tom folk. O seu segundo cd On your pwn love again segue um caminho coerente com o seu espírito harmônico. Não há excessos em Jessica. Tudo vai se encaixando, vai tomando forma, e os desencontros acabam sendo encontros “criativos” na forma e na estética. Repito, sem ser inovador ou ousado no seu sentido mais amplo, Jessica Pratt é um bom motivo para começar o dia com sol, céu sem nuvens, e um caminhar mais leve.

http://www.youtube.com/watch?v=FF1lESEpYrc
http://www.youtube.com/watch?v=fnKZ_ZdXp6o

Capa: reprodução capturada na Internet.