Fotografia: Construção II

A segunda parte da série talvez devesse ser a primeira. Também, foi a que chegou depois das outras. Um Bem-Te-Vi com toda a persistência, delicadeza, força, denodo, incansável, fazendo o seu destino: um ninho. Ainda em construção, e bem distante de onde podia vê-lo, a lente da câmera capturou à distância o pássaro e os pequenos fios e ramos que levava para ser o seu futuro lar. Nem sempre há nitidez plena, o seu movimento era intenso. Exemplo digno, íntegro e feliz. ter vivido esse momento me faz acreditar na vida e na superação das dificuldades que ela às vezes apresenta.

The second part of the series maybe it should be the first. Also, was reached after the other. A Bem-Te-Vi with all persistence, delicacy, strength, denodo, tireless, making your destiny: a nest. Still under construction, and well away from where I could see it, the camera lens captured the bird in the distance and the small wires and branches it took to be your future home. There’s not always full sharpness, your movement was intense. Example worthy, healthy and happy. have lived this moment makes me believe in life and in overcoming difficulties that she sometimes presents.

 

IMG_5471 (2)

IMG_5468 (2)

IMG_5455 (2)

IMG_5457 (2)

IMG_5463 (3)

IMG_5469 (2)

IMG_5474 (2)

Fotos: Chronosfer.

 

 

Fotografia: Construção (Construction)

A Claudia do Espacio de imágenes y palabras certo dia me pediu um post com o tema Construção. À época, chovia muito em Porto Alegre. Então, a primeira surpresa:

IMG_4770 (2)

Na sacada onde moro uma visita. Fiz a foto com o vidro à frente. Pássaros voam sempre. Procurei de onde vinha o filhote. Via a ida e volta do trabalho de levar barro para algum lugar. Depois de alguns dias, encontrei isso:

IMG_4890 (2)

IMG_4891 (2)

IMG_4904 (2)

IMG_4923 (2)

IMG_4912 (2)

Aqui, um exemplo de persistência, de força, de coragem, de vida. A natureza nos ensina a construir exatamente a vida. No concreto frio de um prédio, a casa de quem semeia o canto de todas as manhãs. O futuro.

Fotos: Chronosfer.

Milton Nascimento: Coração Civil

Coração Civil

Quero a utopia, quero tudo e mais
Quero a felicidade nos olhos de um pai
Quero a alegria muita gente feliz
Quero que a justiça reine em meu país
Quero a liberdade, quero o vinho e o pão
Quero ser amizade, quero amor, prazer
Quero nossa cidade sempre ensolarada
Os meninos e o povo no poder, eu quero ver
São José da Costa Rica, coração civil
Me inspire no meu sonho de amor Brasil
Se o poeta é o que sonha o que vai ser real
Bom sonhar coisas boas que o homem faz
E esperar pelos frutos no quintal
Sem polícia, nem a milícia, nem feitiço, cadê poder ?
Viva a preguiça viva a malícia que só a gente é que sabe ter
Assim dizendo a minha utopia eu vou levando a vida
Eu viver bem melhor
Doido pra ver o meu sonho teimoso,um dia se realizar

Coeur Civil

Je veux l’utopie, je veux tout et plus
Je veux le bonheur dans les yeux d’un père
Je veux la joie, beaucoup de gens heureux
Je veux que la justice règne dans mon pays
Je veux la liberté, je veux le vin et le pain
Je veux être amitié, je veux l’amour, le plaisir
Je veux notre ville toujours ensoleillée
Les enfants et le peuple au pouvoir, je veux voir
São José du Costa Rica, cœur civil
Inspire-moi dans mon rêve d’amour Brésil
Si le poète est celui qui rêve ce qui va être réel
Il est bon de rêver à de bonnes choses que l’homme fait
Et attendre les fruits dans le verger
Sans police, ni la malice, ni les sorts, où est le pouvoir ?
Vive la paresse, vive la malice que seul le peuple sait avoir
En disant ainsi mon utopie je mène ma vie
Et je vis bien mieux
Fou de voir mon rêve têtu un jour se réaliser
https://www.youtube.com/watch?v=Wg0opaj8OWU

Para Arthur *30.07.2017. Um mês de vida. Um mês de resistência. Seja o teu sacrifício não mais apenas um número na estatística das balas perdidas que destroem sonhos. Seja o teu sacrifício a paz que tanto necessitamos.

Fotografia: Grafismo da natureza

IMG_1412

IMG_1415

IMG_1420

Fotos: Chronosfer. Árvores e seus galhos com suas folhas sempre surpreendem o olhar. Por vezes, minimalistas,seus aparentes galhos secos escondem o que por dentro germina. O lado de fora, o que nossos olhos alcançam, têm cores, foco, desfoque (foto 2) e muito para fazer o imaginário criar outras geminações. A natureza é vida e poesia em constante mutação.Como nós.