Horacio Guarany y Soledad Pastorutti: Juntos por unica vez

Horacio y Sole

Histórias de vida e de estradas costumam ter pontos comuns. Outras vezes, uma nada a ver com a outra, como se fossem bifurcações e uma escolha a ser feita. A vida é assim, como uma estrada, feita de bifurcações e escolhas. A Cultura em suas expressões reflete a vida. Às vezes, através da ficção. Outras, com a realidade ao alcance da compreensão. Quando há motivos para que haja encontro, o sonho passa a ser real. A realidade bem menos cruel. Mais suave. Sem deixar de ser realidade. Horacio Guarany e Soledad Pastorutti marcaram esse encontro de gerações diferentes e que trazem ao mesmo tempo um pouco antes de chegarem às bifurcações muito de pontos comuns. As linguagens dialogaram com fluência. Podemos compreender. Juntos por única vez gravado ao vivo no Luna Park de Buenos Aires em outubro de 2002 é isso. A compreensão do sentido das escolhas e das bifurcações. Ele, da província de Santa Fé, um homem da terra, um homem da palavra, um homem que leva consigo o violão e começa a criar laços com a experiência que a vida proporciona. para ser traduzida em versos e canções. Um homem que busca de forma incessante a liberdade do homem da terra. Horácio Guarany, seu nome. Ela, gerações adiante, acolheu o que para muitos é passado, para outros tantos é história. Também santafesina, provou do pop e do folclore. Sentiu os dramas da terra. Uniu a ambos. Muito em comum. Seguiu por outras linguagens, sem se afastar do núcleo, o folclore argentino. Em certo período de sua exitosa carreira foi chamada de nova Mercedes Sosa. Tem sangue, tem raça, tem força, tem luz. Ela, Soledad Pastorutti ou La Sole. Juntos, gravaram um disco comovente. Daqueles que se abraça e não larga mais, só para escutá-lo, As mesclas e fusões de estilos e  canções ganham proporções de encontro. Não há bifurcações senão um único caminho que a canção oferece. Vinte delas no disco. Vinte momentos de intensidade da cada um e de quem esteve no Luna Park. Um disco que não se esgotou em si mesmo. Transborda essa margem para tornar-se ainda mais livre. E vamos juntos com eles. A história se fazendo e construindo outra estrada, mais uma das tantas que constrói. Faremos a escolha certa? Eles continuaram se encontrando. Felizmente. Para a música, para a história, para a Cultura e para nós.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s