Vida perde Manoel de Oliveira

manoel

O coração do cineasta português Manoel de Oliveira parou de bater na manhã desta quinta-feira. Aos 106 anos de idade, e em plena atividade, a perda não é apenas para o cinema. É para o mundo da Cultura. De longa carreira, iniciada na década de trinta com Douro, Fauna Fluvial até os dias atuais sua produção ultrapassou aos 50 longas-metragens de ficção e documentários. Em dezembro passado, apresentou seu curta O velho do Restelo, quem sabe o último realizado sob a sua direção. Sua vida é um exemplo de inquietude, no seu melhor sentido, até chegar ao cinema e nele fixar suas raízes e estrear em 1942 com Aniki Bóbó e então passar a frequentar a gangorra do sucesso e do fracasso comercial. O reconhecimento tardou, e o mais importante, no entanto, chegou. Em 1985 ganha o Leão de Ouro de Veneza com O Sapato de Cetim e em Cannes, anos mais tarde, em 99, o prêmio do Júri por A Carta. Os anos noventa foram um marco em sua produção, que passaria a ser anual e a trabalhar com grandes nomes do cinema, entre eles John Malkovich e a eterna musa Catherine Deneuve. Abaixo, trailer de Um filme falado, de 2003, estrelado por ambos. Perdemos uma grande referência, ficamos um pouco mais órfãos.

Foto: http://www.dt.pt

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s